Autossabotagem

QUAIS SÃO OS COMPORTAMENTOS QUE ESTÃO SABOTANDO A SUA CARREIRA SEM QUE VOCÊ PERCEBA

Uma vez dentro do ciclo da autossabotagem você está condenado a viver como sísifo. Repetindo dia a após dia uma vida sem sentido. Tendo comportamentos nocivos que criam barreiras constantes para o seu sucesso pessoal e profissional.

 

Veja este artigo como uma chave. Você está diante da porta com a chave na mão, mas você decidirá se quer entrar. Se entrar, lá dentro você encontrará uma pessoa tateando no escuro, indo aqui e ali em busca de alguma coisa que nem ela mesmo sabe o que é.  Esta pessoa está ansiosa, angustiada, se esforçando, batalhando e aparentemente dando o  melhor de si para que a sua vida seja digna, descente e feliz. Mas em vários momentos quando ela está quase conseguindo sentir essa sensação de felicidade, ela escorrega e cai em alguma situação que a faz regredir ao ponto de partida.

 

Essa pessoa é você!

 

 

A autossabotagem

 

O que é?

Autossabotagem é o medo de usufruir as vitórias alcançadas, deste modo, as pessoas passam a fazer de tudo para que suas vitórias dêem errado, por medo de ser feliz e ter satisfação.

Para exemplificar o ciclo da autossabotagem vou te apresentar o Míto de Sísifo:

 

O mito de Sísifo

Sísifo era um pastor de ovelhas e filho de Éolo, o deus dos ventos. Era tido como a pessoa mais ardilosa que já existiu. Morava num povoado chamado Éfira e, ao melhorar as condições do lugar, passou a chamá-lo de Corinto, que mais tarde se tornou uma grande cidade. Casou-se com Mérope, filha do deus Atlas e que compõe uma das plêiades.

Um dia, Sísifo percebeu que seu rebanho diminuíra. Estava sendo roubado. Então, marcou suas ovelhas, seguiu o rasto delas e foi dar na casa de Autólico. Arrolou testemunhas da ladroagem e enquanto os vizinhos discutiam sobre o roubo, rodeou a casa em busca de mais alguma ovelha e encontrou a filha do ladrão, Anticleia. Seduziu-a e a engravidou, vingando-se do malfeitor.

Voltando para casa, Sísifo, que andava sempre escondido, presenciou Zeus, o deus do Olimpo, raptando Egina, filha de Asopo. Não deu outra, aproveitando-se do fato, Sísifo, em troca da construção de um poço para sua cidade, entregou o deus sedutor. Claro que Zeus ficou sabendo que Sísifo o tinha dedurado, então pediu que seu irmão Efaístos o levasse para o Hades, mundo subterrâneo onde viviam as almas condenadas.

Pressentindo a fúria de Zeus, Sísifo pede à esposa que não o enterrasse após sua morte e, chegando ao Hades, arma uma cilada para Efaístos e o aprisiona. Conversa com Perséfone, a esposa do deus, e a persuade a deixá-lo voltar e organizar o seu funeral, além de punir os que negligenciaram seu enterro. Ela lhe concede a volta por apenas três dias. Mas, voltando à superfície, ele passa a viver normalmente com sua esposa, como se nada tivesse acontecido.

Vendo aquele absurdo, pois ninguém deveria enganar a morte, Zeus ordenou que Hermes o conduzisse novamente ao Hades e que lá recebesse um castigo exemplar. Deveria rolar uma enorme pedra morro acima, até o topo. Porém, chegando lá, o esforço despendido o deixaria tão exangue que a pedra se lhe soltaria e rolaria morro abaixo. No dia seguinte, o processo se daria novamente, e assim pela eternidade, como forma de envergonhá-lo pela sua esperteza em querer enganar os deuses e a morte.

Esse mito narra o esforço inútil de uma pessoa, seu árduo e rotineiro trabalho, que nunca será concluído. Também fala do desejo humano de ser eterno, como os deuses, vencendo a morte.

  • Quantas pessoas estão rolando pedra morro acima?
  • Quantas insistem num caso que nunca terá solução?
  • Ou teimando em mudar outra pessoa para se satisfazer?
  • Exercendo uma função rotineira e vazia?
  • Quantas se acham num martírio sem fim? A maioria?
  • Quantas vivem sob o domínio das ideologias sem questioná-las?
  • Quanto dinheiro é gasto no inútil esforço de parar o tempo e se tornar jovem para sempre?

 

Como surge?

O problema é que isso acontece no inconsciente e raramente o individuo percebe que está se sabotando. Então, se você abordar um amigo e der um feedback a ele, destacando que ele está com comportamentos sabotadores, ele vai ficar muito bravo com você.

Sua origem está relacionada a traumas, sentimentos de abandono, de rejeição, de culpa, que são obtidos por referências construídas na base familiar ou na escola.

 

Onde impacta?

A autossabotagem pode se manifestar em todos os aspectos da vida:  namoro, casamento, educação do filhos, escola, trabalho e novos projetos. Os psicoterapeutas são unânimes em afirmar que o processo de cura para este tipo de doença emocional passa pela tomada de consciência de que as pessoas não só estão se sabotando, mas também destruindo o seu futuro.

Esse comportamento pode ser tão grave ao ponto de provocar obesidade, depressão, cardiopatias, transtornos de ansiedade, pensamentos suicidas, diabetes e, em casos mais graves automutilação, que é quando a pessoa cria flagelos físicos em si mesma para se punir e liquidar com o sucesso e a felicidade em todos os planos da vida.

 

Leia também: Medo do sucesso

 

Por que não aceitamos que isso também acontece conosco?

A auto-sabotagem é um tema tão presente nas nossas vidas, mas ao mesmo tempo tão difícil quase impossível de nos darmos conta. Por quê?

Porque ocorre em um nível inconsciente, tão profundo da nossa psique que não somos capazes de enxergar a olho nu. E, falar em auto-sabotagem, no exemplo de uma doença física, que aparece nos exames, parece até loucura não é?

Eu me autossabotar?

Sim todos nós nos sabotamos. Alguns de forma mais intensa, outros de forma mais suave, mas ninguém escapa.

 

Por que protegemos a autossabotagem?

 

Conheça a Síndrome do Benefício Secundário (SBS)

Esse é o caso mais comum de reversão. Ela ocorre quando o inconsciente percebe que é melhor ou mais seguro se prender a um problema do que se livrar dele. Para quem carrega em si há algum tempo trauma, dores crônicas, fobias ou vícios, por exemplo, essa emoção Passa a fazer parte de sua personalidade e até mesmo de sua identidade. Superar ou perder essa “identidade” pode ser uma ameaça muito grande para o subconsciente, que não é racional.

Por exemplo, o subconsciente pode pensar: “se eu superar esse problema,…”

“.. .não terei mais essa desculpa para minha vida não dar certo.”

“…talvez eu não saberei mais quem eu sou.”

“…talvez não seja seguro eu me livrar disso.”

„…não saberei mais como agir normalmente, sem me sentir vítima.”

“…não ganharei mais a atenção e carinho que recebo agora.”

Portanto, devemos sempre fazer a seguinte pergunta para nós mesmos:

Que benefícios estou recebendo com esse problema?

ou

Que irei perder se resolver esse problema?

 

Reprograme o seu cérebro

 

 

Casos de Autossabotagem: Os arruinados pelo êxito

 

Freud (1916), no texto Os arruinados pelo êxito, aponta alguns casos que gostaria de compartilhar aqui para exemplificar como ocorre:

No mesmo texto ele cita a anamnese* de uma mulher, em que viu a oportunidade de compreender e descrever sobre essas ocorrências trágicas:

  • Anamnese consiste no histórico de todos os sintomas narrados pelo paciente sobre determinado caso clínico. Também pode ser considerada uma lembrança incompleta ou a reminiscência de uma recordação.

Diferentemente do exame físico, onde o médico se resume a analisar os aspectos fisiológicos do paciente, a anamnese é uma espécie de “entrevista” feita pelo profissional

 

A autosabotagem na prática – caso I

“Era bem nascida e bem educada; no entanto, ainda muito jovem, não pôde conter seu gosto de viver; fugiu de casa e perambulou pelo mundo em busca de aventuras, até travar conhecimento com um pintor, que não só pôde apreciar seus encantos femininos mas também captar, apesar de sua degradação, as qualidades mais requintadas que ela possuía. Levou-a para viver com ele e ela provou ser uma companheira fiel, parecendo apenas carecer de reabilitação social para alcançar felicidade completa.

Após muitos anos de vida em comum, o pintor conseguiu fazer com que a família dele se reconciliasse com ela; estava então preparado para torná-la sua esposa legítima. Foi nesse momento que ela começou a desmoronar:

  • Descuidou da casa da qual agora estava prestes a tornar-se dona por direito;
  • Imaginou-se perseguida pelos parentes dele, que desejavam fazê-la parte da família;
  • Proibiu ao amante, com seu ciúme insensato, todo contato social;
  • Prejudicou-o em seu trabalho artístico, e logo sucumbiu a uma doença mental incurável.”

Esta mulher nunca se deu conta de que estava imersa em um processo de autossabotagem.

 

A autosabotagem na prática – caso II

Marcos trabalhava como analista em uma empresa privada e apresentava excelentes resultados. Seu gerente lhe chamou e apresentou uma oportunidade dele se tornar coordenador pelo período de um ano como teste na nova filial. Se o seu desempenho fosse tão bom quanto ele vinha apresentando nos cinco anos ele seria promovido a gerente. Marcos saiu feliz da reunião, enfim a empresa estava reconhecendo os seus esforços.

Aparentemente ele se sentia feliz. Chegou em eufórico em casa e contou a esposa e o filho que juntos comemoraram a noticia.

Ele teria o prazo de 60 dias para se preparar para a mudança e se ambientar. Iniciado o processo ele foi enviado a nova filial para conhecer a equipe. Após passar uma semana lá, Marcos começou a apresentar problemas na pele, em poucos dias o seus braços foram tomados por uma severa psoríase que lhe causou muito sofrimento e consequentemente algumas faltas. No mês seguinte ele apresentou diarreias e vômitos frequentes a ponto de ter que se afastar para tratamento.

Você pode estar se perguntando: Como assim eu estaria provocando esta doença em meu corpo?”

Todo adoecimento é provocado pelas emoções. Existem fatores genéticos, doenças herdadas, ou geradas pelo ambiente, hábitos ou mesmo pela toxicidade dos alimentos. Mas o inconsciente sim tem o poder de desencadear crises, agravar ou abrandar o problema. E, em algumas situações pode ser a fonte causadora.

Passados três meses da promoção, Marcos começou a se desentender com o chefe que o estava pressionando a sair da postura de analista e assumir a postura de coordenador na nova filial. Sem aguentar tudo isso que estava acontecendo, Marcos pediu demissão.

 

Sabotadores comuns

Existem alguns dispositivos sabotadores que o impede de obter sucesso em suas ações, tais como: falta de tempo, desorganização, descontrole financeiro, falta de foco e atenção, intolerância e impaciência, medo de se arriscar e sair da zona de conforto, que são, na verdade, as famosas desculpas. Portanto, não fazer uma prova porque não quer se sair mal na colocação, mesmo tendo estudado, seria medo do fracasso ou medo do sucesso?

Que historinhas você anda contando para você para justificar os seus insucessos?

Separamos um vídeo muito especial para que você entenda de uma vez por todas como está prejudicando a sua vida. Lembre-se, estes comportamentos estão no seu inconsciente e na maioria das vezes você não percebe que os está praticando. Separe um tempo de 20 minutos e assista esse vídeo, pois ele é a chave que citei no inicio do artigo está na sua mão:

 

 

Conheça tipos comuns de autossaboagem no ambiente de trabalho.

  • Sabe aquela pessoa que já está no terceiro curso superior, mas que sempre o abandona antes de concluí-lo e nunca chega a ter um diploma de curso superior. Grande sabotador!
  • Aquela pessoa que chega sistematicamente atrasada.
  • Conhece aquele tipo que fica trabalhando todos os dias após o horário para mostrar para todos que se mata de trabalhar.
  • Na sua empresa tem aquele colega que se pudesse trabalhava embaixo da mesa para não se expor?
  • O gerente que prefere se tornar consultor, mesmo ganhando menos para não ter tanta responsabilidade e pressão por resultados.
  • O coordenador que tem casos com todas as várias mulheres na empresa, gerando conflitos e desconfortos constantes.
  • Um bancário que apesar de crises de gastrite já ulceradas não conseguia se desligar e mudar de emprego, mas principalmente, aceitava a tirania de seu encarregado.

 

Leia também: Autoresponsabilidade

 

Como acabar com a autossabotagem e alcançar os seus objetivos ?

O curioso é que a maioria das pessoas que alcançaram o sucesso, em algum momento em suas vidas, tiveram que superar a barreira conhecida como autossabotagem, que às vezes pode surgir em um nível inconsciente. Às vezes podemos sabotar a nós mesmos, sem prestarmos atenção. Veja abaixo algumas formas de amenizar esta barreira para o seu sucesso.

  • Tomando consciência de como e quando nos sabotamos.
  • Entender “o por que”, do que estamos fugindo?
  • Buscando ajuda terapêutica, mentoria com quem já lidou com esse problema.
  • Se comprometer com a mudança de comportamento.
  • Criar uma estratégia para quebrar os comportamentos sabotadores e focar em seus objetivos

 

A estratégia que vai mudar a sua vida

Imaginemos que você queira viajar para um lugar onde nunca tenha ido antes. Agora, imagine que você não possui GPS e tenha decidido fazer isto sem nenhum mapa.

Quais são suas chances de nunca conseguir chegar ao seu destino? Bem, você já sabe a resposta.

O mesmo pode acontecer conosco se não tivermos um plano (um mapa), para diminuir os processos de autos sabotagem em nossa vida.

O meu mapa, o que meu deu forças, ferramentas e estratégias para lidar com isso foi o Método CIS (Imersão de três dias em Inteligência Emocional) que foi onde eu descobri onde como eu me saboto e o Curso O Poder Do Foco, ambos ministrados pelo Mastercoach Paulo Vieira. Assim como essa oportunidade chegou até mim por um amigo e transformou a minha vida, eu quero lhe apresentar, pois esse pode ser o seu momento da virada.

A autossabotagem se disfarça de tantas formas, que parecem ter explicações tão racionais que realmente fica difícil visualizar que podemos estar sabotando nosso sucesso, saúde, relacionamentos e bem estar de modo tão imperceptível.

A chave ainda está em suas mãos e agora eu vou lhe conduzir até a porta que vai te ajudar a romper com o ciclo da autossabotagem na vida para sempre.

 

o-poder-do-foco

 

Se você gostou desse artigo deixei aqui o seu comentário, críticas ou sugestão de melhoria.

 

Fontes:

http://equilibriocontinuo.com.br/auto_sabotagem/

http://focuslife.com.br/como-acabar-com-a-auto-sabotagem/

http://www.psicolanda.com.br/como-a-auto-sabotagem-pode-estar-atuando-na-sua-vida/

https://direitodolivrepensar.wordpress.com/2015/09/02/auto-sabotagem-como-e-isso-na-pratica/

http://www.saberepreciso.com/2013/02/o-mito-de-sisifo.html

 

Mara Mello

Graduada em marketing, pós graduada em Gestão de Assessoria de Comunicação e Gestão de Serviços, Mara Mello, atua há mais de quinze anos com marketing e desenvolvimento empresarial. Após identificar a necessidade de desenvolver a sua capacidade de estabelecer foco, resolver aprofundar no tema e compartilhar experiências, histórias, casos e ferramentas para que outras pessoas também possam exercitar e compreender O Poder do Foco.